Relacionamentos são naturalmente desafiadores. É um aprendizado constante, são dois mundos, duas personalidades, culturas e famílias diferentes, um entendendo como lidar com o outro a todo momento. Em um intercâmbio tudo se intensifica, afinal é tudo novo, e exige bastante energia. Sem a família e amigos por perto seu companheiro/a se torna seu único ponto de apoio. Será que isso é positivo ou pode complicar o intercâmbio?

Claro que não tem receita certa. O relacionamento tem que estar forte e cada um ter clareza dos seus próprios objetivos. Sim, você irá conhecer outras pessoas, fazer novos amigos, vai ser legal, porém ao final do dia, algumas de suas frustrações muitas vezes podem acabar sendo descarregadas no companheiro.

Estar em um país diferente tendo que se adaptar com todos os novos detalhes, a comida, a moradia, as palavras, os programas, a falta das pessoas que costumavam estar a sua volta pode gerar um certo estresse inicial. Quando sozinhas as pessoas sentem saudades de casa e desejam tanto ter alguém para que possam contar, que costumam sempre achar que é muito melhor fazer intercâmbio de casal. A verdade é que tudo sempre tem seu lado bom e seu lado ruim.

Uma coisa que eu fiz quando fui fazer meu intercâmbio e que recomendo, foi ficar em casas separadas durante o primeiro mês. Cada um em uma homestay. Assim cada um tem um tempo para entender e digerir tudo que está acontecendo inicialmente. Um tempo para chegar em casa e estudar, aprender algo com a família, ou se sentir frustrado com algo sem dar explicações. Um espaço seu, para aceitar que por aquele período a vida é diferente e entender como lidar com tudo aquilo sem descontar no outro.

Alguns dos casais que conheço contaram que fizeram algum tipo de combinado de falar somente em inglês entre eles, ou de tentar fazer amigos de outras nacionalidades para que possam praticar, mas ao final todos acabam sempre querendo e precisando de um break de toda aquela pressão do aprendizado constante e um aconchego na nossa língua mãe. Combinados podem cair por terra e está tudo bem! O importante mesmo é não perder o foco.

Me lembro também que uma das minhas resoluções pessoais foi que não iria ler ou ver nenhum programa de TV em português, essa foi uma opção minha porque eu queria muito aprender a língua rapidamente, mas não necessariamente se aplicava ao outro. O respeito nesse momento com certeza ajuda a ultrapassar as barreiras iniciais de adaptação. Afinal as pessoas são diferentes, possuem tempos diferentes e se escolheram ficar juntas tem que tentar também entender essas disparidades com respeito e amor dando o espaço necessário ao outro para que os dois possam evoluir no mesmo passo e continuar olhando para a mesma direção.

Nada melhor do que ao final de um dia difícil, onde não entendeu o que o moço da padaria falou ou o trabalho foi duro demais, ter ali um ouvidinho e um colinho que te entende. Combinar de fazer aquela comida que você adora e discutir sobre porque o “get” tem tantos significados e como descobriu que aquela coisa verde que tem nos sushis e em todas as saladas é abacate, essas coisas não têm preço.

A familiaridade ajuda, dividir a carga alivia um pouco a tensão que o “tudo novo” pode trazer. Claro que além disso você sempre terá companhia para o que quer fazer, seja tomar um drink ao final do dia, ir ao cinema ou fazer aquela viagem no final de semana. As fotos ficarão mais interessantes já que não serão apenas “selfies”. E o aprendizado também acaba sendo dividido já que um irá contar para o outro diariamente o que aprendeu, o que viu e o que ouviu.

Caso fazer o intercâmbio em casal seja uma possibilidade é importante que converse bastante com seu parceiro(a) e trace os planos em detalhes para que fique tudo claro para os 2 e para que ambas as partes estejam alinhadas com relação ao objetivo do outro. Lembre-se que será necessário também achar um balanço para que vocês não fiquem apenas no mundo de vocês durante a viagem, se deem a oportunidade de realmente viver o intercâmbio, fazer novos amigos, ter momentos individuais e pense também em maneiras de descontar as frustrações que não seja na sua outra metade.

Para que a experiência funcione e seja valiosa para ambos, comunicação e amor são fundamentais, o resto vai se ajeitando. Estando abertos ao novo e dispostos a viver essa aventura juntos o intercâmbio será mais uma experiência fantástica para o livro de memórias do casal.

Quer viver esse momento incrível com o seu amor? Fale com a gente! 🙂